AS “NOVAS DOENÇAS DA ALMA” E O RESGATE URGENTE DE SI MESMO

Tenho tido por conta de meu trabalho enquanto psicóloga e terapeuta, a oportunidade de estar em contato muito de perto com questões emocionais bastante fortes, e que fazem parte de nosso “cardápio do dia-a-dia” enquanto humanidade. Ninguém está isento e livre de passar pelo seu quinhão de dores e desafios, mas o que faz a diferença é quando conseguimos melhor compreender nossos padrões de funcionamento, nossos comportamentos emocionais e mecanismos de defesa que são utilizados para lidar com o ‘impossível de ser suportado’, e que são disparados de uma forma automática e inconsciente. Aí sim é que começam muitas de nossas dificuldades, pois aquilo que num dado momento em termos comportamentais foi adequado e até mesmo necessário, em momentos futuros pode se tornar um entrave ao nosso desenvolvimento. E nesse sentido, costumo dizer que no nosso inconsciente está nossa verdade, no entanto se essa dimensão está tomada por camadas de ’lixo’ de todas as qualidades, será muito pouco provável que consigamos, por mais que desejemos encontrar o caminho para uma evolução mais harmoniosa. Esse “lixo” precisa ser removido, os porões de nossa consciência arejados, as portas e janelas da alma abertas para novas realidades, se quisermos caminhar para a frente.

Recentemente, coordenando um Encontro de Mulheres em que pude falar um pouco sobre questões bastante atuais e que tanto tem preocupando profissionais das áreas de saúde mental, ficou para mim cada vez mais claro o quanto irmos para além de nossas dores psíquicas, muitas das vezes cortantes como navalha, somente pode ser feito, se entrarmos em contato com as camadas mais profundas de nosso ser, desalojando de suas ‘zonas de conforto’ padrões muito antigos e firmemente enraizados. Posso parecer redundante, ou até mesmo estar ‘jogando em causa própria’ pela natureza da minha profissão, mas acredito firmemente que fazer terapia é o meio, o caminho, o fim e a possibilidade que nos permite desvendarmos os mistérios de nossa própria existência, e de nos tornarmos seres mais íntegros e mais felizes, criativamente transformando o pouco em muito, a carência em nutrição, a ausência em preenchimento, o buraco em ponte e o insolúvel em decisão.

Sou da turma de Psicologia PUC/RJ graduada em 84, e posso dizer que venho acompanhando ao longo dessas últimas décadas, a intrigante capacidade do ser humano em dar origem a novos quadros de expressão de sua dor emocional. Estou falando das “novas doenças da alma” que tanto impacto têm causado na sociedade como um todo, mas principalmente em quem está ‘por perto’. Desafios para os profissionais da área de saúde mental que no momento do encontro terapêutico, procuram encontrar o melhor dentro de si mesmos para lidarem com esse impressionante universo. Síndromes do pânico, transtornos de personalidade vários, entre eles os transtornos de personalidade borderline e as auto mutilações, expressões de dor profunda que trazem a perplexidade daqueles que buscam se fazerem compreendidos, na esperança de poderem se ‘redesenhar’ e se reconstruir com mais harmonia.

O Espírito Humano felizmente não cansa de nos surpreender e muitas vezes em tempos de crise ele consegue se superar. Em outros momentos nem tanto, necessitando de ajuda para transcender suas dificuldades. E aí surgem os processos terapêuticos nas suas mais diversas modalidades. E posso com toda a certeza dizer, que ao contrário do que se possa inicialmente pensar, fazer terapia não nos diminui ou nos configura como seres mais fracos. Muito pelo contrário!! Fazer terapia é para os fortes que um dia precisaram lançar mão de muitas estratégias para sobreviver, mas que chegaram a um ponto de suas vidas em que perceberam que isso precisa mudar. A vida tem que deixar de ser uma batalha constante e tornar-se o exercício de uma sinfonia. E digo isso totalmente baseada em experiência própria. Amo meu trabalho, adoro de paixão minha profissão e espero ardentemente estar muito ativa por tempos vindouros, para ver brotarem as sementes que venho plantando nos corações de tantos seres, cumprindo assim, minha missão de vida e predestinação!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *