O poder da oração pode ser comprovado cientificamente? (Publicado em Julho 2006)

O exercício da fé através de rituais e práticas religiosas esteve sempre associado à esfera do humano, presente nas culturas de todos os tempos. A fé foi sempre percebida como algo que pode ser sentido e vivenciado, mas não cientificamente explicado. Historicamente falando, o poder da oração e a possibilidade de seus efeitos positivos, têm sido questionados pela comunidade científica, acostumada a lidar apenas com os fatos concretos e tangíveis de nossa vida diária. Mesmo pessoas que tenham algum tipo de fé e acreditem no poder das orações demonstram uma certa relutância em afirmar que os efeitos da prece podem ser mensurados e quantificados. Por essa razão, os efeitos da prece são difíceis de serem observados segundo os critérios da ciência atual. Todavia, alguns grupos de comunidades científicas têm se envolvido ativamente em pesquisas que busquem a comprovação do poder da oração através de estudos empíricos. Dentre essas pesquisas encontramos mais freqüentemente aquelas que buscam ao menos entender como a prece e a fé afetam a saúde física através de mecanismos psicológicos, sociais e comportamentais.

Um dos estudos científicos mais mencionados sobre o poder da prece foi conduzido entre agosto de 1982 e maio de 1983, com a participação de 393 pacientes da Unidade Intensiva Coronariana do Hospital Geral de São Francisco. Dois grupos de pacientes foram selecionados ao acaso, o grupo que receberia preces intercessórias (grupo experimental) e o grupo que não receberia orações (grupo de controle). Todos os participantes do experimento, pacientes, médicos, enfermeiros e os próprios experimentadores, não souberam quais os pacientes participariam de cada grupo. Os resultados para aqueles que acreditam no poder da oração não foram surpresa: os pacientes que receberam preces intercessórias se mostravam mais saudáveis do que aqueles que não as receberam, necessitaram menos de ressuscitação cardio-pulmonar, apresentaram uma menor necessidade no uso de diuréticos e antibióticos, o número de casos com edema pulmonar foi menor, sem mencionar no número de óbitos menor em comparação ao grupo de controle. Os experimentadores atribuíram os resultados de suas pesquisas ao poder das orações realizadas na intenção dos pacientes que faziam parte do grupo experimental.

Um artigo publicado no Jet Magazine (Agosto 1998) sobre estudos realizados pela Duke University Medical Center em Durham, Carolina do Norte, apontam para dados conclusivos a respeito da relação positiva entre realização de preces e níveis baixos de pressão arterial. Essa pesquisa afirma que indivíduos que realizam suas preces e comparecem às cerimônias religiosas semanalmente, especialmente entre as idades de 65 e 74 anos, possuíam pressão arterial mais baixa do que indivíduos da mesma faixa etária que não realizavam essas atividades. Os pesquisadores perceberam que quanto mais religiosamente uma pessoa se comportava, menor os índices de pressão arterial.

Em um artigo da Mc Call’s Magazine (dezembro 1988), foram apresentados os resultados de um estudo realizado com 1902 gêmeos, conduzido pela Virginia Commonwealth University Medical College of Virginia, Richmond, em que os irmãos gêmeos que demonstravam um maior comprometimento com a vida espiritual, apresentava um menor índice de consumo de álcool e cigarros, uma menor tendência à depressão e relacionamentos afetivos mais estáveis. A questão da prece é tão importante que o Dr. Sang Lee, médico e autor de livros, entre eles o livro “Saúde, novo estilo de vida”, teria demonstrado por experiência profissional própria, que pacientes desenganados por outros médicos e que participaram de tratamento médico e realização de orações, teriam apresentado regenerações celulares e logrado êxito em vários casos.

Ainda que não se saiba exatamente como o poder da oração funciona, especialistas nas áreas de terapia holística afirmam que a realização de preces trás benefícios energéticos para o corpo físico e para o funcionamento emocional das pessoas, trazendo sensação de bem-estar e maior equilíbrio. O livro The Messages of the Water (Mensagens da Água) publicado pelo escritor de nacionalidade japonesa Masaru Emoto, apresenta fotos realmente impressionantes do poder não só das orações, mas de nossos pensamentos e intenções. Emoto têm conduzido pesquisas em todo o mundo sobre o efeito de idéias, palavras, música e orações sobre a composição molecular da água. O procedimento básico é sempre o mesmo, o que difere são os resultados. Frascos contendo água são rotulados com diferentes palavras ou “bombardeados” por diferentes tipos de pensamentos e emoções. Em seguida, são tiradas fotografias das moléculas da água nas diferentes situações. Os resultados são impressionantes! Quando amostras de água foram, por exemplo, “bombardeadas” com o som de música heavy metal, rotuladas com palavras de conteúdo negativo, ou quando pensamentos ou emoções negativos foram focalizados intencionalmente, as moléculas fotografadas demonstraram padrões de estrutura caóticos e fragmentados. As moléculas possuíam aparência feia e desorganizada. Por outro lado, quando os frascos de água foram rotulados com palavras como “obrigado” e “amor”, ou quando expostos a músicas clássicas, formaram-se estruturas cristalinas de indescritível beleza, padrões moleculares que mais pareciam pinturas vivas.

Na medida em que setenta por cento de nosso corpo é formado por água, talvez possamos começar a entender um pouco mais sobre a relação do poder da oração. Nosso corpo reagirá muito de acordo com nosso estado de ânimo, pensamentos e emoções, que ficam, por assim dizer, “impressos” nas moléculas de água de nosso corpo.As impressionantes fotografias obtidas por Emoto, demonstram de uma forma bastante visível o poder da oração.

One Response so far.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *