PATERNIDADE NA ALQUIMIA E NA PSICANÁLISE

paiMuito tem se falado da importância fundamental do papel da mãe na vida de uma criança, pelas razões óbvias da gestação, parto, amamentação e os cuidados dos primeiros anos na infância. Sem dúvida alguma não só é inegável, mas inquestionável a profundidade da função materna na vida de qualquer ser humano. No entanto gostaria de nesse momento trazer a nossa atenção para o quanto a figura paterna possui uma relevância que se iguala às possibilidades de cuidados da mãe, e que sem tão fortalecedora presença, fica um buraco na base de nossa estrutura.

Acho particularmente interessantes as visões da Psicanálise e da Alquimia sobre o papel do pai. A primeira vertente de pensamento embora desenvolvida e registrada há mais de um século, ainda permanece totalmente válida. Nossa personalidade necessita imperiosamente ser estruturada a partir de uma triangulação edípica, onde a “entrada do pai” na relação mãe-bebê, vem instaurar uma possibilidade de saída de um relacionamento que se é absurdamente satisfatório, pelo menos na maioria dos casos, pode vir a se tornar aprisionante caso a figura paterna não exerça seu poder de estruturação. Mãe e filho possuem um laço tão visceralmente estreito, que é necessário o surgimento de uma figura que venha dizer ao pequeno ser, que ele necessita construir-se e construir sua própria jornada na direção de uma vida adulta. E tudo isso, é claro, se passa de forma inconsciente.

Nos estudos sobre Alquimia podemos ver a importância do funcionamento dos chakras e seu pleno desenvolvimento associado a evolução dos setênios. A cada sete anos os chakras vão se abrindo completamente ano a ano. Esse movimento se faz do chakra básico até o chakra coronário sucessivamente, onde no final de cada sétimo ano, cada chakra estará totalmente desenvolvido e aberto. Nesse sentido do nascimento até os 7 anos, ou seja durante o primeiro setênio, o chakra raiz ou chakra básico é aquele que será ativado. As qualidades de ancoramento, enraizamento na vida terrena, subsistência na matéria e possibilidade de um caminhar seguro na vida, estão associados a esse chakra. E será a figura do pai que estará diretamente vinculada a esse processo. É ele que nos dá a base e a sustentação forte e decidida para uma vida terrena que seja proveitosa e válida. A segurança do caminhar possui sua origem através das experiências desses primeiros sete anos que são por assim dizer, ‘patrocinados’ pela figura paterna. Certos comandos hormonais serão ativados pela sua simples presença, através dos comandos ‘orquestrados’ pelo seu DNA, despertando potencialidades e permitindo o amadurecimento de dons herdados. Mas independentemente das teorias explicativas associadas a essas linhas de pensamento ou quaisquer outras, a paternidade é e sempre será a base de ação para que nosso ‘edifício na terra’ possa ser solidamente ancorado. Com toda a certeza felizes dos homens que percebem claramente isso e tem a oportunidade de “seguraram nas mãos de seus filhos”, conduzindo-os a uma vida saudável, digna e harmoniosa. Nada como o cumprimento de uma Missão que é por si só intransferível, e cujo prêmio maior é o sentido de uma valorização interna incomparável e sem igual.

2 Responses so far.

  1. Magnífico texto, a figura masculina tem grande influência na formação de um ser adulto seguro. Parabéns pelas sábias palavras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *