SEXUALIDADE E ESPIRITUALIDADE: Casamento Indissolúvel Para o Êxtase

sexo sagrado 2Nossa Humanidade já atingiu níveis alarmantes de densificação de suas energias. Batalhas espirituais diárias têm sido travadas como nunca se viu antes em tempo algum. São chegados os tempos de transformações fundamentais em que estamos atravessando o período final da ‘Noite Escura dos Tempos’. Mas ainda muito tem a ser feito para que possamos aspirar ares realmente mais purificados que surgirão na aurora de um Novo Mundo. E nesse contexto quero hoje chamar a atenção, trazendo para a pauta de discussão e questionamentos, um assunto bastante delicado: a maneira com que a sexualidade humana tem sido tratada.

De forma alguma me considero pudica ou preconceituosa em relação ao sexo. Até porque estou sempre a trabalhar com meus clientes e pacientes no setting terapêutico, situações bastante profundas e por vezes de uma dramaticidade sem igual nessa área. E posso dizer que nesse sentido Freud tinha mais do que razão: o ser humano apresenta muito de sua vida tingida pelas cores da sexualidade, energia essa de uma força impressionante, mas que necessita ser adequadamente vivenciada para nosso próprio benefício. E vou mencionar aqui algo que muito poucas pessoas sabem: o quanto o sexo é capaz de propiciar o contato com esferas espirituais sublimes, permitindo uma fusão belíssima entre os campos energéticos dos seres (que se iluminam!), alimentando e renovando suas energias. No entanto para que isso aconteça é fundamental que os sentimentos de amor (ou pelo menos de sentimentos amorosos) e respeito estejam presentes, facilitando a ascensão ou subida das energias sexuais dos chakras mais básicos até os chakras superiores. E é exatamente isso que acontece quando a expressão física da atração sexual se manifesta acompanhada dos sentimentos amorosos que conectam ambos os indivíduos.

Por outro lado quando é somente o tesão que domina e conduz pura e simplesmente o encontro dos seres, as descargas hormonais se processam e a satisfação física pode até acontecer, mas a satisfação plena de alma não se realiza. Podemos falar de orgasmo, mas não de êxtase. Podemos falar de saciedade do corpo, mas não do espírito. Podemos falar de uma fusão de corpos, mas que longe estará da fusão de almas. E existe sim uma diferença fundamental entre ambos, ocasionando a tão conhecida sensação de esvaziamento e de não saciedade, pouco depois do ato ter sido consumado quando em condições ausentes de um bem-querer mais profundo. E isso não sou eu que estou afirmando, mas a natureza vibracional com que o Grande Arquiteto criou nossos corpos e projetou nossas experiências terrenas. A presença das energias do chakra cardíaco durante o ato sexual é que servirão de “alavanca” para que tais energias possam subir na direção dos chakras acima dele, trazendo para o sexo a expressão mais plena de nossa Humanidade.

E quero aqui deixar bem claro que não estou de forma alguma ‘levantando bandeiras moralistas’, muito menos julgando ou criticando o que quer que seja, mas tão somente mostrando um lado importantíssimo da questão que poucos conhecem. Costumo inclusive falar muito franca e abertamente com as moças jovens que atendo (e os moços também!!), que eles podem se assim o desejarem e são livres para tal, ‘transar sem compromisso por uma noite só’. Nada os impede disso e são livres para exercitar sua sexualidade como melhor escolherem. Mas a energia sexual que será descarregada é com toda a certeza insuficiente para preencher a alma que permanecerá vazia, ainda que todas as (auto) justificativas do mundo possam ser utilizadas. E embora ainda façamos parte de uma sociedade machista, isso sem dúvida alguma vale para os homens também. Somente o ‘quantum de energia amorosa’ empregada é que servirá como combustível espiritual para o encontro. Somente uma intimidade que tem por base o amor e a entrega confiante ao outro é que permitirá aos indivíduos alçarem vôos absolutamente espetaculares no que diz respeito ao mais profundo de si mesmos. O sexo se torna então espiritual no sentido mais profundo do termo, pois em sua ‘proposta original’ ele nunca foi desenhado para ser em nada diferente disso. O “Caminho Para a Transcendência”. O meio físico para a “Comunhão de Espíritos”. A ponte que une experiências individuais num todo único indivisível por alguns momentos tão preciosos, e que permitirá aos seres ao se separarem, estarem mais unidos do que antes, dentro de uma individualização abastecida por algo que é divinamente inexplicável, mas profundamente sentido. Eis um dos Grandes Mistérios Iniciáticos que precisa principalmente nessa nossa atualidade tão dramaticamente sexualizada e embrutecida em seus sentidos, ser mais amplamente conhecido.

Voltarei a me estender um pouco mais sobre esse assunto num futuro próximo, pois ainda muito resta a ser dito.

 

 

 

4 Responses so far.

  1. Philipe disse:

    Olá minha amiga!
    Genial esse texto, muita gente está precisando ler essas palavras que você escreve com tanta sabedoria.
    Beijo!

  2. Querida amiga, o que podemos dizer de um texto tão sábio. Realmente, as pessoas ainda não tem a sabedoria do que significa o ato “sexual” propriamente dito, não é somente união de corpos e sim, uma união de almas onde são compartilhadas as mais puras vibrações (densas ou sutis/leves), por isto a necessidade de sabermos muito bem com quem estaremos compartilhando nossa Alma. Parabéns pelo texto!!!!

    bj grande.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *