SINCRONICIDADES: QUANDO O SER E O UNIVERSO ESTÃO ALINHADOS

sincronicidadeO termo sincronicidade foi definido pelo eminente psicanalista Carl Jung e publicado cientificamente pela primeira vez em 1929. De uma forma bastante simples podemos dizer que sincronicidade é a experiência onde dois ou mais eventos ocorrem ao mesmo tempo, coincidindo de uma maneira que seja significativa para a pessoa que a vivencia, mas que não necessariamente estejam associados a um padrão causal ou explicativo. Mas o que representam realmente essas “coincidências” em nossa jornada? O que estaria ‘por detrás’ de tão incrível mistério?

As sincronicidades ocorrem quando nosso Ego deixa de querer controlar nossas vidas em seus mínimos detalhes (como se tal ‘camisa de força’ fosse garantia para a felicidade!). Quando permitimos de uma forma muito natural e envolvente que os Mistérios Divinos, que tem em sua prancheta o desenho da vida de cada um materializem de uma forma tão brilhante aquilo que não tínhamos a menor noção de que poderia vir a acontecer. Em nossa racionalidade desejamos sempre ter o domínio extremo sobre tudo o que pensamos ser o melhor para nossas vidas. E não estou querendo dizer que isso não seja adequado em certos momentos, mas há que se permitir que o ‘não previsível’ possa surgir por entre as brechas de um racionalismo exagerado, tornando a nossa existência muito mais digna de ser apreciada.

Já vivi de formas muito mágicas inúmeras sincronicidades em minha vida. Cada uma delas surgindo de uma forma totalmente inesperada (caso contrário não seria uma sincronicidade!), trazendo um impulso maravilhosamente novo ao meu viver. E a cada situação experienciada, foi como abrir um presente que a vida me trouxe, sem que eu estivesse contando com isso, mas que na hora de sua chegada fez tudo e absolutamente tudo ter um sentido e um significado surpreendentes.

E de uma forma lindamente interessante, Alquimista que sou, vejo hoje a possibilidade de trabalhar energética e espiritualmente as sincronicidades através do uso de florais alquímicos, aquilo que em Alquimia chamamos de Torus. Não que os florais ‘provoquem’ ou ‘criem’ sincronicidades em nossas vidas na acepção da palavra, mas sim que através dessas gotinhas tão mágicas vamos limpando, transmutando e desenvolvendo uma maior condição de estarmos abertos para que tudo isso faça parte de nosso dia-a-dia. E sendo assim mais preparados e alinhados com o Universo (e nós mesmos), a Vida se encarregará de trazer as pessoas e condições certas, nas horas certas, no tempo adequado e da forma mais coerente, plena e absoluta possível. E simplesmente nos tornamos Magos e Mestres de nós mesmos, articulados com os Mistérios da Vida de uma forma totalmente nova. Não consigo entender as coisas de outra forma. E vamos percebendo cada vez mais no poder da espera, a força que temos para gestarmos um amanhã mais luminoso e mais gratificante, onde as sincronicidades se tornam algo tão comum de acontecerem quanto os simples atos de nosso quotidiano.

Para mim não resta a menor dúvida de que é necessário nos despojarmos de tantas cargas emocionais, espirituais e energéticas, bagagem essa trazida ao longo da vida, ou melhor dizendo de vidas, e que impedem as sincronicidades enquanto uma mistura de dádivas divinas e outorgas pessoais, de acontecerem mais natural e frequentemente. É chegada a hora de nos darmos infinitamente a permissão para receber. Mas não podemos nos esquecer nunca e jamais, que isso não vem de forma “gratuita”, no bom sentido da palavra. A nossa parte temos que fazer pois esse é nosso destino e missão enquanto seres humanos em evolução. E de uma forma sem precedentes para essa humanidade que segue sempre em frente de uma maneira ou de outra, através de muitas e diversas ferramentas que estão ao ao alcance de todos e à nossa disposição, tal realidade pode se tornar possível, nos lançando de forma infinita rumo a espirais de crescimento sem fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *